domingo, 13 de março de 2011

Kriekenbier

Brasssamos um mosto de baixo OG (1.040) visando fazer um Kvass, mas a parte do mosto preparada com pão (um Pumpernickel feito em casa) parecia ter sofrido algum tipo de contaminação após aproximadamente 24 horas descansando em nossa caixa térmica. A brassagem resultou em apenas 5 litros de mosto com 100% malte pilsen, baixa lupulagem e baixo OG. Como o propósito inicial de fazer o Kvass acabou falhando, precisavamos de algo para adicionar um pouco mais de sabor a esta cerveja. Foi quando me lembrei de um pacotinho com uns 400 gramas de cerejas, comprados logo após o ano novo quando elas estavam em promoção no supermercado. Juntamos a cereja com 30 gramas de lascas de carvalho francês e adicionamos à cerveja (que havia fermentado com German Ale 1007 da WYEAST) em um recipiente plástico com capacidade para 10 litros.
No dia seguinte a cerveja já estava bastante vermelha, e a foto ao lado mostra a situação atual, após 3 semanas em contato com o carvalho e a cereja. O aroma está levemente ácido/azedo e as cerejas quase não são perceptíveis no sabor. Andei procurando mais cerejas para adicionar, mas não
encontrei nem sinal das frutinhas vermelhas. Talvez nesta época do ano seja impossível encontrá-las.
Vamos aguardar mais alguns meses antes de engarrafar esta cerveja. O baixo teor alcoólico, baixo IBU e o grande headspace do recipiente em que a cerveja está maturando podem reservar algumas surpresas para o futuro. Uma outra possibilidade é adicionar um pouco da nossa Lambic, que está completando 6 meses de fermentação, para adicionar um pouco de "funk", mais ou menos com faz a De Ranke que mistura Kriekenlambiek com Pale Ale para produzir a Kriek De Ranke.

Prost!

Nenhum comentário:

Postar um comentário